Facebook
Twitter
Youtube
Flickr
Instagram

Espécies Ornamentais

Feira de Doação de Mudas

Espécies Ornamentais

 

Conheça algumas das espécies ornamentais produzidas pelo Viveiro Municipal de Mudas Nativas.

PATA-DE-VACA

Bauhinia forficata Link

  • Forma de vida: Árvore
  • Altura: 5 a 9 metros
  • Folha: Semidecídua
  • Floração: Outubro a janeiro
  • Domínio fitogeográfico: Mata Atlântica
  • Ocorrência: Rio de Janeiro e Minas Gerais até o Rio Grande do Sul  
  • Sucessão ecológica: Pioneira a secundária inicial
  • Utilidades: Arborização urbana e recuperação de áreas degradadas
  • Locais de ocorrência: Planícies aluviais úmidas (mata ciliar) e início de encostas

 

SIBIPIRURA

Poincianella pluviosa (DC.) L.P. Queiroz

  • Forma de vida: Árvore
  • Altura: 8 a 16 metros
  • Folha: Semidecídua
  • Floração: Dezembro a fevereiro
  • Domínio fitogeográfico: Mata Atlântica
  • Ocorrência:  Alagoas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro
  • Sucessão ecológica: Secundária inicial
  • Utilidades: Arborização urbana
  • Locais de ocorrência: Solos bem drenados

 

PAU-FERRO

Libidibia ferrea var.leiostachya (Benth.) L.P. Queiroz

  • Forma de vida: Árvore
  • Altura: 20 a 30 metros
  • Folha: Semidecídua
  • Floração: Novembro a fevereiro
  • Domínio fitogeográfico: Mata Atlântica
  • Ocorrência: Piauí até São Paulo
  • Sucessão ecológica: Secundária inicial
  • Utilidades: Arborização urbana
  • Locais de ocorrência: Preferencialmente em várzeas e fundos de vale

 

IPÊ-ROXO

Handroanthus impetiginosus (Mart. ex DC.) Mattos

  • Forma de vida: Árvore
  • Altura: 8 a 12 metros
  • Folha: Decídua
  • Floração: Maio a agosto
  • Domínio fitogeográfico: Mata Atlântica e Cerrado (ocasionalmente)
  • Ocorrência: Piauí e Ceará até Minas Gerais, Goiás e São Paulo  
  • Sucessão ecológica: Secundária tardia
  • Utilidades: Arborização urbana
  • Locais de ocorrência: Interior da floresta primária como em formações secundárias

 

IPÊ AMARELO MIÚDO

Handroanthus chrysotrichus(Mart. ex DC.) Mattos

  • Forma de vida: Árvore
  • Altura: 4 a 10 metros
  • Folha: Decídua
  • Floração: Agosto a setembro
  • Domínio fitogeográfico: Mata Atlântica e Cerrado
  • Ocorrência: Paraíba, Pernambuco, Bahia até Santa Catarina   
  • Sucessão ecológica: Secundária inicial
  • Utilidades: Arborização urbana
  • Locais de ocorrência: Formações secundárias localizadas sobre solos bem drenados de encosta 

 

 

REFERÊNCIAS

CARVALHO, P. E. R. Espécies Arbóreas Brasileiras. Colombo, PR: Embrapa Florestas, 2003. v1, 1.039p.

CARVALHO, P. E. R. Espécies Arbóreas Brasileiras. Colombo, PR: Embrapa Florestas, 2006. v2, 627p.

CARVALHO, P. E. R. Espécies Arbóreas Brasileiras. Colombo, PR: Embrapa Florestas, 2008. v3, 593p.

CARVALHO, P. E. R. Espécies Arbóreas Brasileiras. Colombo, PR: Embrapa Florestas, 2010. v4, 644p.

CARVALHO, P. E. R. Espécies Arbóreas Brasileiras. Colombo, PR: Embrapa Florestas, 2014. v5, 634p.

Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: <https://bit.ly/2HCzWpK>. Acesso em: Dez. 2018

LORENZI, H. Árvores Brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 7. Ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2016. v1. 

LORENZI, H. Árvores Brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 4. Ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2013. v2. 

LORENZI, H. Árvores Brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 1. Ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2009. v3. 

 

Facebook
Twitter
Youtube
Flickr
Instagram
Todos os direitos reservados © 2020- Município de Itajaí